segunda-feira, 9 de abril de 2012

Lollaparty com Friendly Fires.

Comentei em um dos meus últimos posts que eu voltaria ao Cine Jóia nesse mês para o show do Friendly Fires. O show era como uma extensão do Lollapalooza, um pré-festival, chamado de Lollaparty
Na quinta-feira, dia 05 de abril, os bonitos do Foster the People abriram as Lollaparties, e no dia 07 de abril, sábado, foi o show dos meus amados Friendly Fires.

Eu gostaria muito de ter ido no Foster the People e uma parte de mim (a menos chata, hehehe) gostaria de ter ido no Lollapalooza ver além das duas bandas da Lollapaties, MGMT, Arctic Monkeys e Band of Horses...mas a grana tá curta e o meu amor maior entre todas as bandas é Friendly Fires. Quando fiquei sabendo do show no Cine Jóia, corri para contar ao namorado. Como amamos a banda, não pensamos duas vezes e compramos os ingressos.

Ingressinhos! 

Chegamos beeeem cedo no Cine Jóia, e não, não foi para pegar lugar ou algo assim, foi uma simples questão de transporte (hahaha). Dessa vez a discotecagem não estava boa como no show do The Naked and Famous, e aproveitamos pra ficar sossegadinhos para curtir a noite na hora certa. As pessoas iam chegando aos poucos, mas estava percebendo que a casa não ia encher, perfeito! Ficamos batendo papo, observando as projeções no fundo do palco (eu me vi em uma delas, sério, haha!), bebendo uma cervejinha, passando frio (o ar-condicionado estava bombando, hahaha), fazendo umas fotos...e do nada os caras do Friendly Fires passam por nós. O coraçãozinho já começava a bater mais rápido. Caralho, eu ia ver uma das bandas que eu mais amo de pertinho! *-*



Cine Jóia @ Muito antes de começar o show...

O show estava marcado para 00h00, e meia hora antes eu já estava de frente ao palco para pegar um bom lugar. A melhor parte do Cine Jóia é o chão em declínio, eu posso ficar lá atrás que vejo o show direitinho, mas o meio é a melhor opção: de frente ao palco e pertinho do bar, hihihihi.
Quanto olhei no relógio, vi 00h00 aparecer e fiquei ansiosa. Será que ia rolar atraso?! Nããão! As luzes se apagaram, o tom da música mudou e Ed MacFarlane entrava no palco junto com sua turminha, Edd Gibson e Jack Savidge, além de outros músicos que acompanharam a banda.
Logo de cara eles soltaram Lovesick, minha música preferida, e eu gritei (muitoooo) de tanta emoção, hahaha!



E eles foram mandando só as músicas boas dos dois álbuns lançados, Friendly Fires e Pala: Jumping in The Pool (onde foram acompanhados por um coro mega animado, mostrando que as músicas do primeiro álbum são mais populares entre os fãs), Running Away, Blue Cassete, True Love (outro amor ), On Board, Chimes (posso ter outro amor? hahaha!),  Skeleton Boy, Show me Lights, In the Hospital, Pala, Live Those Days Tonight (um dos momentos de maior agitação da noite, com pessoas pulando e batendo palmas ao som das batidas), Hurting (outro dos bons momentos, pulei demaaais), Pull me Back to Earth e Paris (momento de alegria máxima do namorado).


Depois de todo esse set list perfeito, eles saem do palco deixando todos pedindo mais. Ficamos esperando, batendo palmas, desejando a volta daquela banda com super presença de palco...e eles voltaram, soltando duas das músicas que eu mais amo: Hawaiian Air e Kiss of Life. Foi o ápice da noite. A galera gritava, dançava muito, pulava e cantava em coro os hits animados da banda. Ed rebolava mais que Ney Matogrosso (hahaha) e todos piravam naquela performance que sinceramente eu acho coisa linda de meldels, hahahaha. :D
Além da felicidade eterna de Ed, os dois outros integrantes se movimentavam bastante, esbanjando sorrisos e participando dos coros como em On Board. Posso falar mais uma vez que a performance de palco da banda é extremamente foda?! Então, esse é um show pra curtir e dançar, do jeitinho que eu amo! ;)



Kiss of Life fechou a noite num tipo de versão estendida, com baterias pulsando e levando todos a loucura extrema. Minha vontade era largar bolsa e jaqueta no chão para pular e expressar minha alegria de estar fazendo parte daquele momento, foi mágico...
E por fim, eles se despediram, deixando todos satisfeitos, tenho certeza. Era possível ver o sorriso e animação no rosto de cada um antes, durante e depois do show. Foi uma noite perfeita, uma experiência única.

E eu tirei algumas fotinhas no começo do show, nada demais, nada que me atrapalhasse naquela noite mais do que feliz! :)













Tenham uma ótima semana! :)
E até o próximo post, que olha, não quero prometer nada não, mas pode ser falando sobre o show do Franz Ferdinand no Cultura Inglesa Festival.

Beijos!
:**

quarta-feira, 28 de março de 2012

Close to the Fire

E eu não podia deixar de divulgar o novo clipe da banda The Vain. Sou daquelas que divulga o trabalho das bandas (boas) da região! Hehehe! ;)



"Close to the Fire" vem do último CD lançado no finalzinho de 2011, o "Panda". O clipe foi dirigido por Zelino Lanfranchi e contou com produção de figurino e make up de Rita Oliva, ambos integrantes da banda Cabana Café, também da região.
O clipe foi filmado em Santo Antonio do Pinhal e ficou super bacana, bem produzido e de alguma maneira (pra mim, pelo menos), bastante inspirador!

O The Vain nasceu lá em 2002, e nesse ano completam 10 anos de estrada, músicas dançantes e contagiantes, shows, EPs, hits animados e mais...

Vale a pena conferir o som dos caras e claro, assistir ao clipe! ;)

Beijos!
:**

terça-feira, 20 de março de 2012

Young Blood

Não sei porque demorei tanto para falar de uma das bandas que eu mais amo por aqui, mas tudo bem, hoje o post será mais especial do que nunca.
Na sexta-feira fui a mais um show maravilhoso, que até agora se tornou o melhor show da minha vida. O show em questão aconteceu no Cine Jóia, em São Paulo, um lugar maravilhoso que nos anos 60 foi um cinema. Mas o lugar não vem ao caso por enquanto, porque eu quero mesmo é falar dos bonitos do The Naked and Famous e do show perfeito que eles fizeram por aqui.


O The Naked and Famous nasceu na Nova Zelândia, em Auckland, no ano de 2008. No início a banda era formada pelos dois vocalistas atuais, Thom Powers (vocal e guitarra) e Alisa Xayalith (vocal). Os dois, juntamente com Aaron Short (produção), um engenheiro musical, gravaram dois EPs ("This Machine" e "No Light") antes de fazerem sucesso com o álbum lançado em 2010, o "Passive Me, Agressive You", que passou a ser conhecido após o hit de maior sucesso da banda, "Young Blood".


Antes do lançamento de seu primeiro álbum, em 2009, a banda passou por um upgrade e recebeu mais dois integrantes, Jesse Wood (bateria) e David Beadle (baixo).
Em 2010, eles receberam vários prêmios no "New Zealand Music Awards" além do título de banda revelação pelo "Sound of 2011", publicado pela BBC.
Alisa e Thom estudaram juntos, mas largaram os estudos para iniciar o The Naked and Famous, já com o apoio de Aaron. Com o primeiro single lançado, aquele que os colocou nas paradas da Nova Zelândia, eles venderam 15.000 unidades do "Passive Me, Agressive You", alcançando o status de platina.


Com suas músicas em seriados e video-games, eles vêm conquistando público pelo mundo todo, participando de festivais como o famoso Lollapalooza, no ano passado. 
Felizmente, a banda não está fazendo sucesso apenas nas gringas e na semana passada passou por aqui, fazendo uma apresentação no Circo Voador (RJ) na quinta-feira (15/03/2012) e no Cine Jóia (SP) na sexta-feira (16/03/2012). E mais felizmente ainda, hahaha, eu pude estar presente nesse show que pra mim foi o melhor de todos que já vi.

Foto: Marcela Mattos

Como já contei a vocês, o show aconteceu no Cine Jóia, um cinema dos anos 60 que foi todo reformado para se transformar numa casa de shows. Apesar de toda a modernidade, a casa ainda mantém aquele ar todo vintage da época, e encanta com uma boa decoração, projeção de luzes e imagens no palco, um bar em formato de diamante (o símbolo do Cine Jóia) e acreditem, banheiros lindos demais, hehehe.
O show começou com um atrasinho básico, mas imperceptível, o som que estava rolando antes estava ótimo, assim como a companhia e as conversas. Quando o show estava para começar eu já estava arrepiada, e logo eles lançam "All of This", minha música preferida fazendo todo mundo pular e gritar (no meu caso, de pura emoção).
Parecia que eu estava ouvindo o CD só que em uma outra proporção, hehehe, a banda manda muito bem ao vivo e tem uma performance de palco que eu particularmente adorei. Alisa, assim como o restante da banda, se mostrou confiante e totalmente carinhosa com seu público brasileiro, agradecendo aquela energia e dizendo que pretende voltar (VOLTEEEM *---*). 
E o show continuou lindo com "Punching in a Dream", "Spank", "The Sun", "No Way", "Jilted Lovers", "The Ends", "Girls Like You" (outro auge da noite, com o Cine Jóia inteirinho cantando e gritando), "Serenade" (o setlist teve mais do que isso, o vejam completo aqui) e por fim, a tão esperada "Young Blood", que com certeza foi o ponto máximo do show! Eles foram espertinhos e deixaram o famoso hit no final, fazendo todo o pessoal enlouquecer e ficar esperando por mais, mas não, eles não voltaram ao palco. E eu não sei se todos saíram assim, mas eu saí do Cine Jóia besta. Besta com o lugar e com esse show que vai ficar para sempre marcado na minha memória, guardadinho no meu coração...

Fiquem com algumas músicas da banda e alguns vídeos de sua apresentação ao vivo no Cine Jóia! 


♥ Serenade


No Way


The Sun


♥ Young Blood


 ♥ Girls Like You


All of This


♥ Punching in a Dream ao vivo no Cine Jóia


Young Blood ao vivo no Cine Jóia

Estou vendo que vou ouvir o "Passive Me, Agressive You" pro resto da vida, hahaha! :D

E mês que vem tem mais show no Cine Jóia! :)
Friendly Fires vem aí e eu volto pra contar tudinho como foi.

Beijos!
:**

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

The End.

O ano está no fim e eu não podia deixar de postar uma última vez em 2011. Musicalmente falando, o ano foi muito bom, conheci diversas bandas e cantores ótimos, ouvi muita coisa interessante e me viciei em outras. Uma das bandas que me fez ficar maluca neste ano será a indicação para fechar 2011 com chave de ouro. Preparados?! :)

Best Coast é a dica da vez. As letras da banda são feitas pra mim, eles cantam pra mim, hahaha. Eles cantam sobre amor, simplesmente. E se vocês não acharem isso, eu não quero nem saber, pra mim é isso e pronto. Hahahahahahaha. Brincadeiras a parte, o negócio é que Best Coast me deixou enlouquecida. Conheci a banda através de um vídeo que saiu esse ano e foi produzido nada mais nada menos do que por Drew Barrymore (), para a música "Our Deal". Vi o vídeo, gostei, adorei a letra e amei o som, fui atrás do álbum "Crazy for You" e não me decepcionei.


A banda foi formada pela vocalista Bethany Cosentino e pelo multi-instrumentista Bobb Bruno, em 2009. Em 2010, a baterista Ali Koehler da banda Vivian Girls, juntou-se ao Best Coast. O primeiro disco da banda recebeu ótimas críticas, e no top álbuns americanos alcançou a 36ª posição.

Bethany já foi atriz, mas desde adolescente compunha suas músicas. Nascida em Los Angeles, foi morar em Nova York e não se sentiu inspirada na cidade, voltou para Califórnia onde se sentia melhor. Suas músicas falam sobre sua vida, e ela nunca imaginou que pudessem ser ouvidas por outras pessoas, que no fim, gostariam!


A banda tem apenas dois álbuns lançados, um EP de 2009 intitulado "Where the Boys Are", e um CD lançado em 2010, o "Crazy for You".


Por mim, eu colocava o CD todo aqui para vocês se deliciarem, mas deixarei apenas as músicas que eu mais amo...


Our Deal (o vídeo produzido pela Drew Barrymore)


When I'm With You


Boyfriend


Crazy For You


Each and Everyday


I Want To


Curtam o som do Best Coast e tenham um ótimo fim de ano.
Que 2012 seja repleto de boas realizações e dicas musicais! ;)
E ah, se for pra praia na virada, coloque todo o "Crazy for You" no iPod...combina que é uma beleza!

Beijos!
:***

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

The Pains of Being Pure at Heart ♥

Nada como começar uma semana triste e sem graça com um sonzinho que te faz feliz. As músicas que escuto definem o meu humor naquele dia, e apesar da minha vidinha estar uma bagunça, estou tentando manter a calma e o bom humor! :)
E já que estou de bom humor, estou ouvindo música que faz meu coraçãozinho se sentir bem, estou ouvindo The Pains of Being Pure at Heart, e essa é a banda indicação da vez.

Achei que tivesse conhecido a banda ontem, através do vídeo "Dogs in Cars" (assistam, é pra morrer de tanta fofura ), mas hoje quando fui criar uma playlist no Grooveshark, descobri uma música deles que já ouvi nessa mixtape do MyCool (as mixtapes do MyCool são demais #ficadica).


The Pains of Being Pure at Heart é uma banda de Nova York que teve origem em 2007 com o lançamento de um EP homônimo. Com seu pop rock indie, eles conquistaram seu espaço e lançaram um EP ("Higher than the Stars") e dois álbuns ("The Pains of Being Pure as Heart" e "Belong"), tudo entre 2007 e 2011, ano em que foi lançado seu último álbum, "Belong".
A banda é formada por Kip Berman (vocal e guitarra), Peggy Wang (teclado e vocal), Alex Naidus (baixo) e Kurt Feldman (bateria), e segundo fontes, o som dos caras lembra Yuck e Yo La Tengo, duas coisas que eu sinceramente não conheço bem, então não posso confirmar! Hehehehe. Eu ainda preciso entender com que eles se parecem, porque de início eles são únicos pra mim!


O nome The Pains of Being Pure at Heart, vem do nome de uma história infantil escrita por um amigo de Kip, o vocalista.

Estou escrevendo esse post e pensando em que músicas vou indicar a vocês. Estou apaixonada por todas, hehehe, mas vou colocar as que acredito serem as minhas favoritas!


Anne With an E (a música do vídeos dos dogs)


A Heart in a Heartbreak (a música da mixtape do MyCool)


Everything With You


Say No to Love


The Body

Queria compartilhar mais músicas com vocês, mas se eu fizer isso o post não vai ter fim, huauhauhauhaua. Procurem a banda no Grooveshark e escutem TODAS as músicas. É muito bom! :)

Tenham uma ótima semana.
Beijos!
:**

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Strangers

Well, well, well, little druguis (Marcela sob efeito de "A Clockwork Orange", hahaha), nesse final de semana aconteceu em São Paulo, mais exatamente no Playcenter, um dos festivais mais importantes e bem organizados do Brasil, o Planeta Terra. Infelizmente essa pequena pessoa que escreve nesse lindo blog não conseguiu ir (por culpa dos fãzinhos de Strokes que acabaram com os ingressos em menos de UM DIA #amargura) e não tem nada de bom pra contar a vocês. 
Para suprir a falta de conteúdo (#mimimi), trago uma dica musical. Como comecei o post falando sobre o Planeta Terra, vou falar de uma banda que eu amo e que tocou no festival e olha que massa, eu perdi. Felizmente esse festival é lindo de morrer e transmitiu tudinho ao vivo. Consegui assistir alguns shows, inclusive o dos lindos do White Lies.


De origem inglesa (Ealing, Londres, Inglaterra), o White Lies é formado por Harry McVeigh (vocal e guitarra), Charles Cave (baixo e backing vocal) e Jack Lawrence-Brown (bateria), e em performances ao vivo a banda é complementada por Tommy Bowen (teclado) e Rob Lee (guitarra).
Com início no ano de 2007, a banda não se chamava White Lies e sim Fear of Flying. Cave, que no início considerava a banda como um projeto de finais de semana, e Lawrence tocavam juntos desde a época da escola, após dois anos Harry entrou na banda. Depois de um tempo de banda, os caras começaram a abrir shows de artistas como Laura Marling, e assim lançaram dois singles pelo selo independente Young and Lost Club, "Routemaster / Round Three" e "Three's a Crowd / Forget-Me-Nots", ambos produzidos por Stephen Street, colaborador de bandas como Blur e The Smiths.
Duas semanas antes dos membros da banda entrarem para a universidade, eles decidiram dar um tempo porque perceberam que as novas músicas que estavam compondo não combinavam com o que estavam fazendo no começo. Em Outubro de 2007, foi anunciado no MySpace da banda, que o Fear of Flying havia acabado, e foi assim que eles adotaram o nome de White Lies, compondo músicas mais sombrias e
mostrando uma nova fase, mais madura.


Em 2009 o White Lies lançou seu primeiro álbum, "To Lose My Life", e começou a fazer diversas aparições em festivais, além de ter muitos shows marcados. Durante o verão desse ano, época de grandes festivais importantes, os caras estiveram presentes no Lollapalooza, Coachella, Oxegen, Glastonbury, entre outros. Por algum tempo, o White Lies acompanhou a banda Friendly Fires em turnês.
Depois de passarem um ano divulgando o primeiro trabalho, agora em 2011 os caras lançaram um novo CD, "Ritual", que tem como single a música "Bigger Than Us" (música com qual eles fecharam o show no Planeta Terra).
Os caras têm grande influência dos anos 80 e são comparados à bandas como Joy Division, Editors e Interpol (que também se apresentou no Planeta Terra #mimimi).

Agora, falando um pouquinho do show do White Lies no Planeta Terra que assisti online, os caras são bem simples no palco, com roupas elegantes e básicas, nada de performances escandalosas, mas muito empolgante. Durante todo o tempo Harry foi bastante simpático com o público.
Eles fizeram um setlist bem misto, com os hits de ambos os CDs já lançados. Como citado em algum momento do post, eles fecharam com o single "Bigger Than Us", levando todos os fãs a loucura (inclusive eu, sentadinha na minha cama, hahaha)!

O setlist!

Vocês podem assistir alguns trechos do show (o que achei um erro, já que no ano passado o Terra liberou todos os shows COMPLETOS) clicando aqui!

Tenho que agradecer meu namorado, Stefano Martins, por me apresentar essa banda. Conheci o White Lies no começo do nosso namoro, quando ele me deu um CD onde tinha diversas músicas, de diversas bandas e lá no meio estava "From the Stars", a música que mais amei de toda aquela playlist. :)

E vamos ao que interessa, muuuuusic! ;)


From the Stars


To Lose my Life 


Bigger than Us (amo esse clipe )


Strangers


Holy Ghost 



E por hoje é só, pessoal.
Tenham uma ótima semana! :D

Beijos!
=**

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Always Like This

Vamos começar a semana com boa música?! :)
Estava pensando no Planeta Terra Festival que acontece no próximo final de semana e eu não vou (#mimimi). Daí lembrei que uma das bandas que tocará no festival irá fazer um show no domingo em São Paulo, no Beco 203 e estou concorrendo a ingressos (cruza os dedinhos) no blog Scream & Yell! Enfim, me inspirei e comecei a ouvir o CD da banda que eu mais gosto e claro, vim indicar o som aqui pra vocês!


Apresento hoje a vocês o som da banda Bombay Bicycle Club, uma banda de indie rock de Crouch End, Londres.
O nome da banda foi inspirado em um restaurante indiano de sua região, e penso que deve ser por isso que os caras acham o nome ridículo (o baixista disso isso ao jornal The Independent), hehehe. 
Formada por Jack Steadman (vocais e guitarra), Jamie MacColl (guitarra e baixo), Suren de Saram (bateria) e Ed Nash (baixo e teclado), a banda já lançou três CDs, sendo que o último (A Different Kind of Fix) saiu em agosto desse ano. Em 2006 foi quando tudo começou a dar certo para os caras, assim que eles ganharam o campeonato "Road to V". No ano seguinte, a NME, nomeou o Bombay como "a melhor banda a sair do norte de Londres depois de algum tempo". Depois disso os caras foram lançando EPs e CDs, e começaram a aparecer em diversos festivais.


Nesse ano eles embarcam no Brasil para dois shows, como já citado no início do post. Se eu ganhar os ingressos para o show do Beco, venho aqui pra contar a vocês como foi! :D

Vamos então ao que interessa. Muuuuusic! ;}


 Shuffle


Dust on the Ground 


 Always Like This 




Espero que tenham gostado! ;)
Boa semana.
Beijos!
=**

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails